quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Início das Obras

No dia 29 de setembro de 2009 foram iniciadas as obras na via W3 Sul,no trecho da SQS 516, com o início da locação da rede de serviços públicos, localizada sob o canteiro central. Também foi feita conferência da locação das árvores.

Início das Obras


No dia 29 de setembro de 2009 foram iniciadas as obras na via W3 Sul,no trecho da SQS 516, com o início da locação da rede de serviços públicos, localizada sob o canteiro central. Também foi feita conferência da locação das árvores.

Início das Obras

No dia 29 de setembro de 2009 foram iniciadas as obras na via W3 Sul,no trecho da SQS 516, com o início da locação da rede de serviços públicos, localizada sob o canteiro central. Também foi feita conferência da locação das árvores.

sábado, 19 de setembro de 2009

Exposição

DF entra no itinerário do Veículo Leve sobre Trilhos

  • 07/09/2009 - 18:38 | Veículos e Transporte

  • Governador José Roberto Arruda assina ordem de serviço para o início das obras da primeira etapa do novo meio de transporte da capital do país. Presidente da França Nicolas Sarkozy prestigia lançamento da exposição do trem, quebra protocolo e desce para cumprimentar populares



    Brasília é a primeira cidade da América Latina a aderir ao Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A autorização para o início imediato das obras foi assinado nesta segunda-feira (7) pelo governador José Roberto Arruda, com a preseça do presidente da França, Nicolas Sarkozy. O chefe de Estado do país europeu esteve na quadra 6 do Setor Comercial Sul, em frente ao shopping Pátio Brasil, durante o lançamento da exposição de um dos trens que circularão pela W-3.


    "Quero que no dia 7 de setembro de 2010, o primeiro trecho da obra esteja inaugurado", agendou Arruda, durante um pronunciamento, ao lado de Nicolas Sarkozy, parceiro da capital do país no processo de modernização do transporte público.

    Durante a apresentação do VLT, o presidente francês não discursou, mas surpreendeu os próprios seguranças ao apontar para baixo e quebrar o protocolo. Ele desceu do palanque ao lado do governador e cumprimentou a população. Antes de ir embora, Sarkozy recebeu das mãos de Arruda uma placa com o símbolo aos 50 anos de Brasília.


    Na primeira fase das obras, será construída a linha que liga o terminal da Asa Sul até a 502 Norte, prevista para ser inaugurada em setembro de 2010. O custo desta etapa é estimado em R$ 775,8 milhões. Outros dois trechos fazem parte da linha. Um deles liga o Aeroporto Internacional JK ao Terminal da Asa Sul, com uma extensão de 6,5km. O outro estágio começa no Brasília Shopping e chega ao fim no Terminal da Asa Norte, uma distância de 7,4 km.

    Segundo o secretário de Transportes, Alberto Fraga, os recursos para a primeira fase estão garantidos. São R$ 24 milhões de verba do orçamento do GDF e R$ 27 milhões de um empréstimo já realizado com o BNDES. “Os valores que temos são suficientes para esta etapa. Também faremos uma licitação com um banco francês e com o Banco do Brasil para financiarmos os trens”, revelou.


    O governo também garantiu que 140 milhões de euros serão disponibilizados pelo governo francês. O empréstimo foi aprovado e precisa passar pelo Senado antes de ser liberado. “Dentro de no máximo 60 dias teremos este valor que será um grande impulso para obra”, afirmou Fraga.


    O novo sistema de transporte contará com 39 trens. Destes, 16 veículos vêm da França. “Depois os trens serão fabricados em São Paulo”, explicou o presidente do Metrô-DF, José Gaspar de Souza.


    Arruda reforçou que o VLT trará benefícios para os usuários de transporte público e os moradores do Plano Piloto. “À medida em que o sistema é construído a população vai entendendo as suas vantagens. Não tenho dúvidas em afirmar que o VLT vai modernizar a vida do Plano Piloto”, vislumbra Arruda.


    Representante do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no evento, o ministro das Cidades, Márcio Fortes, endossou as palavras de Arruda. "Trata-se de um veículo não poluente, confortável, de qualidade e que vai reduzir o problema do engarrafamento. Além disso, vai transformar a W-3 Sul em um mundo novo."


    Copa de 2014


    A semana começou com a notícia de que a Federação Internacional de Futebol (Fifa) pode reduzir de 12 para 10 o número de cidades-sede do Mundial de 2014.


    A capital do país é uma das escolhidas. Durante a apresentação do VLT, o governador José Roberto Arruda considerou a candidatura da cidade a palco da abertura do torneio fortalecida em comparação às outras 11 eleitas.


    "Brasília larga na frente. Somos a primeira das 12 cidades escolhidas a iniciar efetivamente uma obra com vistas para o evento. Estas mudanças no transporte fazem parte do caderno de encargos da Fifa para a Copa do Mundo de 2014”, lembrou Arruda.


    O VLT trecho a trecho

    1 (6,5 km)
    Aeroporto - Terminal Asa Sul

    2 (8,7km)
    Teminal Asa Sul - Brasília Shopping

    3 (7,4km)
    Brasília Shopping - Terminal Asa Norte

    “À medida em que o sistema é construído a população vai entendendo as suas vantagens. Não tenho dúvidas em afirmar que o VLT vai modernizar a vida do Plano Piloto”




    O Veículo Leve sobre Trilhos de Brasília terá...

    ...42 metros de comprimento
    ... 2,65 metros de largura
    ... 39 veículos
    ... Velocidade de 70km/h
    ... Capacidade para mais de 400 passageiros por veículo
    ... Janelas amplas, equipamentos interiores confortáveis e sistema de informações integrados
    ... Materiais reutilizáveis, como aço alumínio e cobre
    ... 20% menos ruído em relação ao volume correspondente em automóveis
    ... Baixo consumo de energia pois serão utilizados materias compostos


    Thássia Alves – Agência Brasília

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Audiência Pública

Ministério público quer audiência sobre Veículo Leve sobre Trilhos

Publicação: 17/09/2009 20:27 Atualização: 17/09/2009 20:27


A Promotoria de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb) fez recomendação ao Instituto Brasília Ambiental (Ibram), para que realize audiência pública para tratar da licença do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O objetivo é apresentar os impactos decorrentes do VLT e esclarecer dúvidas relativas a sua implantação e ao seu processo de licenciamento ambiental.

De acordo com a recomendação haverá nivelamento longitudinal do canteiro e travessias, o que criará muros de arrimo, de até um metro, entre os trilhos e a via mais baixa. Além disso a recomendação afirma que não há documentação ou demonstração clara de como se dará a travessia para pedestres e veículos entre as quadras 500 e 700.

A Prourb também determinou que o Ibram justifique a razão da emissão individualizada de licença de instalação para os trechos 2 (W3 Sul) e 3 (W3 Norte), considerando que o trecho 1 (Aeroporto-Terminal da Asa Sul, início da linha) não foi licenciado. Segundo a recomendação, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) não compreende como uma obra de transporte de massa possa começar do meio (trecho 2) para o fim (trecho 3), sem que o início (trecho 1) tenha sido aprovado.

As obras do VLT ainda não iniciaram. Procurada a assessoria de imprensa do Metrô-DF - responsável pela obra-, informou desconhecer a recomendação.

VLT
O Veículo Leve sobre Trilhos é o meio de transporte público urbano que o Governo do Distrito Federal (GDF) quer instalar na capital para reduzir o número de ônibus nas ruas e também a poluição. Na primeira etapa, vai ligar a Estação Sul, no Setor Policial Sul, ao Pátio Brasil, na W3 Sul.

No dia sete de setembro o presidente francês, Nicolas Sarkozy, foi ao lançamento do projeto do VLT. Na ocasião, iniciou a exposição de um vagão igual ao que circulará pela W3 Sul.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Fotos da Inauguração da Exposição







Alstom

Alstom fornecerá o primeiro sistema de veículo leve sobre trilhos (VLT) da América Latina para Brasília

08 Setembro 2009

Em 7 de setembro, Patrick Kron, CEO da Alstom, inaugurou uma exposição sobre o futuro sistema de VLT de Brasília, na presença do Presidente Presidente da França, Nicolas Sarkozy, que está atualmente em visita ao País, e do Governador José Roberto Arruda. O governo de Brasília assinou um contrato com o consórcio Brastram, constituído pela Alstom, TC/BR, Mendes Jr. e Via, para a fase 1 do projeto do VLT. A participação da Alstom nessa primeira fase é de cerca de €140 milhões.

O projeto inclui o fornecimento de 16 VLTs Citadis e a construção de um trecho de 8 km de via (1,2 km dos quais usarão a tecnologia de alimentação de energia pelo solo - APS). Essa tecnologia de ponta fornece energia aos VLTs sem o uso de sistemas de catenária – o que ajuda a preservar o ambiente urbano e a herança cultural dos centros das cidades. Em uso desde 2003 em Bordeaux e selecionada também pelas cidades de Reims, Angers, Orleans e Dubai, a tecnologia APS é ideal para uma cidade moderna como Brasília.

A capital do Brasil se tornará, assim, a primeira cidade na América Latina a ter um sistema de veículo leve sobre trilhos moderno. O VLT permite que os espaços urbanos sejam repensados, além de preservar a herança arquitetônica e contribuir para o crescimento da cidade, sem danos ao meio ambiente. Em todo o mundo, até hoje, 29 cidades encomendaram um total de 1.221 VLTs Citadis da Alstom.

Os VLTs de Brasília serão capazes de transportar mais de 400 passageiros por veículo - o equivalente a mais de 6 ônibus*. Em termos de capacidade, a solução selecionada para este projeto deverá transportar 120.000 a 200.000 passageiros por dia. A Alstom também fornecerá ao projeto VLT o sistemas de energia elétrica, bem como sistemas de telecomunicações, sinalização, bilhetagem automática, bem como Centro de Controle Operacional.

Com este novo projeto, a Alstom está reforçando sua presença no mercado brasileiro de transporte sobre trilhos. A empresa está envolvida em inúmeros projetos para modernizar as redes de transporte brasileiras. Estes incluem, por exemplo, um contrato assinado em abril de 2009 para fornecer 48 carros para o metrô de Brasília e a modernização do sistema de sinalização. A Alstom também fornecerá 16 trens e um sistema automático de controle de trens para o Metrô São Paulo. A Alstom emprega em torno de 4.000 pessoas no Brasil, sendo aproximadamente metade na indústria ferroviária.

*Considerando-se um ônibus que transporta 66 passageiros, com 6 pessoas por metro quadrado.

Sobe a Alstom Transporte

Focada no transporte sustentável, o Setor Transporte da Alstom desenvolve e comercializa a mais completa variedade de sistemas, equipamentos e serviços do mercado ferroviário. A Alstom é capaz de fornecer um sistema de transporte completo, de material rodante a sinalização e infra-estrutura, além de oferecer soluções turnkey. Em 2008-2009, o faturamento do Setor Transporte da Alstom foi de €5,7 bilhões, e os pedidos aumentaram em 9% em relação ao ano fiscal anterior. A Alstom está, com o Setor Transporte, presente em mais de 60 países e emprega 27.000 pessoas.


INFORMAÇÕES À IMPRENSA

Gerente de Comunicação da Alstom Brasil: Juliana Souza
juliana.souza@transport.alstom.com / Tel.: (11) 3612 7071

Nicolas Sarkozy inaugura exposição do VLT no DF

(07/09/2009 - 09:28)

A capital federal receberá hoje (7) a visita do presidente da França, Nicolas Sarkozy. Ao lado do governador José Roberto Arruda e do secretário de Transportes, Alberto Fraga, Sarkozy inaugura exposição do projeto Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), na avenida W3, em frente ao shopping Pátio Brasil.

A presença do presidente da França marca compromisso de financiamento da primeira etapa da obra pela Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). Com o VLT, Brasília será a primeira cidade da América Latina a aderir ao sistema de transporte.

A cerimônia de assinatura será às 14h. Por medida de segurança, a área estará isolada para circulação de veículos e pedestres a partir das 12h deste sábado (5) e só será liberada após o término do evento, quando a exposição terá visitação aberta ao público.

O governo francês aprovou empréstimo de 140 milhões de euros – cerca de R$ 370 milhões para a construção da primeira fase das obras, prevista para terminar em 2010, quando será construído trecho que liga o terminal da Asa Sul ao Brasília Shopping, no início da W3 Norte.

O novo sistema de transporte, considerado o mais moderno do mundo, trará maior fluidez ao trânsito da avenida W3, que será revitalizada com o VLT. O projeto foi elaborado para obedecer às características urbanas de Brasília. A linha possui 22,6 quilômetros de extensão e passa pela Estação Terminal Asa Sul, onde haverá uma integração com o Metrô-DF. A intenção é permitir uma melhor distribuição de passageiros que se destinam à W3.

Outros dois trechos fazem parte da linha. Um deles liga o Aeroporto ao Terminal da Asa Sul, com uma extensão de 6,5 quilômetros. A outra etapa começa no Brasília Shopping e chega ao fim no Terminal da Asa Norte, uma distância de 7,4 quilômetros. Com a conclusão das obras e com o sistema totalmente integrado, o VLT poderá atender todos os usuários de transporte público que se dirigem ao Plano Piloto pelo principal corredor das Asas Sul e Norte. Pela W3 Sul e Norte circulam atualmente cerca de 600 ônibus diariamente.

Na primeira etapa de operação do VLT (W3 Sul), deverão circular 16 veículos e cada um deles terá capacidade para transportar mais de 400 passageiros – o equivalente ao transportado por mais de seis ônibus. A empresa que implantará o transporte também fornecerá sistemas de energia elétrica e de telecomunicações, sinalização, bilhetagem automática e controle operacional.

Transporte sustentável

O uso de energia limpa e a capacidade de transporte dão ao VLT a condição de transporte sustentável. O veículo opera silenciosamente, emitindo 20% menos ruído que o volume correspondente em automóveis. O consumo de energia também é reduzido em razão da eficiência dos sistemas de tração.

VLT pelo mundo

Na Europa, aderiram ao sistema cidades como Paris, Bordeaux, Lion, Grenoble, Nice, Strasbourg, na França. Dusseldorf, Berlim, Colônia e Nuremberg (na Alemanha), Madrid e Barcelona (Espanha), Rotterdam (Holanda) e Tunis (Tunísia.

Veja o Site do VLT: www.vlt.st.df.gov.br

Arruda defende mais US$ 130 mi para o DF

JORNAL COLETIVO

11/09/09

As negociações entre o GDF e o Bird estão marcadas para a tarde de hoje

O Governo do Distrito Federal passará hoje por mais um dia D, em Washington. Ogovernador José Roberto Arruda fará uma série de negociações para captar mais recursos para o Distrito Federal. Está marcada para a tarde de hoje, horário de Brasília, uma apresentação da equipe do GDF para executivos americanos sobre os projetos de gestão pública que considera mais promissores para o desenvolvimento da capital. Esta também será a oportunidade do GDF demonstrar como funciona a gestão dos órgãos de regulação do serviço público. Serão citados os modelos da Agência Reguladora de Águas e Saneamento (Adasa), do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibram) e do DFTrans.

O foco da comitiva brasiliense é a assinatura do contrato de US$ 130 milhões com o Banco Mundial (Bird) que serão repassados em seis parcelas, até 2012. O financiamento também será usado para complementar os projetos do Veículo Leve sobre Pneus (VLP) e o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O empréstimo faz parte do SWAP, programa criado pela instituição financeira para premiar as administrações que alcançam objetivos em áreas importantes para o desenvolvimento de uma cidade. A reforma do Centro Ginecológico e Obstétrico do Hospital do Gama, por exemplo, ajudou o GDF a ganhar um bom conceito do Banco Mundial.

Integrante da comitiva do GDF, em Washington, o subsecretário de Captação de Recursos do GDF, João Carlos Quijano, explica que para oferecer a recompensa, o programa leva em consideração critérios de análise do desempenho, como a eleição de metas e a avaliação sobre o cumprimento dos objetivos propostos pelo governo. Até hoje, apenas Minas Gerais e Ceará haviam sido recompensados. O DF é a terceira unidade da Federação a ganhar investimento do Banco Mundial devido a ações de desenvolvimento nas áreas de educação, saúde e transporte.

“Ao liberar a primeira parcela, de US$ 26 milhões, o Banco Mundial reconhece que uma parte dos objetivos propostos pelo GDF foi alcançada. Os números apresentados aos executivos do Bird e o balanço de medidas de redução de despesas da máquina pública foram satisfatórios”, detalha o subsecretário. “O Banco Mundial reconheceu o esforço de legalização, regulamentação do estado e normatização do acompanhamento dos serviços públicos”, afirmou Quijano.

GDF é candidato ao financiamento do DPL

Outro assunto que faz parte na agenda da comitiva do Governo do Distrito Federal, em Washington, é mais um programa financiado pelo BID em funcionamento no GDF – o Brasília Integrada, que prevê a recuperação do sistema de transporte na capital. “Vamos debater os resultados e comentar as melhorias”, revelou Quijano. “Os indicadores estão melhorando e nosso esforço será cada vez maior”, explicou.

Com tantas possibilidades positivas a equipe do GDF também vai candidatar-se a outro tipo de financiamento – o Development Policy Loan (DPL) ou Programa de Financiamento de Polícias Públicas. O crédito é aplicado em obras específicas que tenham como pré-requisito políticas públicas.

Financiamento

BID pode financiar obras do VLT

A comitiva brasiliense que está em Washington, nos Estados Unidos, com a missão de negociar empréstimos importantes para o GDF fez um balanço positivo dos compromissos desta quinta-feira (10). Durante um almoço com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luís Alberto Moreno, o governador José Roberto Arruda recebeu a notícia de que a instituição poderá financiar parte das obras do Veiculo Leve sobre Trilhos (VLT), cuja primeira etapa deve ser inaugurada em um ano.

À tarde, Arruda encontrou-se com a vice-presidente do Banco Mundial (Bird) para a América Latina, Pamela Cox, para a assinatura do contrato de empréstimo de US$ 130 milhões (aproximadamente R$ 260 milhões). Para receber os recursos, liberados por meio da linha de crédito Swap, o GDF cumpriu metas estabelecidas pelo banco nas áreas de Educação, Saúde e Transporte. A primeira parcela – US$ 26 milhões (R$ 52 milhões) – deve entrar na conta do DF em meados de outubro. Outras sete serão repassadas até 2012.

De acordo com o subsecretário de Captação de Recursos, João Carlos Quijano, a assinatura do contrato é um reconhecimento dos avanços do último ano, como o trabalho das equipes do Saúde na Família, reforçando o serviço básico de saúde, e à implantação do programa Educação Integral.

O empréstimo havia sido liberado em junho deste ano pelo Ministério da Fazenda, quando o limite de endividamento do GDF fora expandido de R$ 1,6 bilhão para R$ 2,5 bilhões.

Recursos para VLT

Segundo Quijano, a notícia de que o BID poderá financiar os outros 50% das obras do VLT – orçadas em R$ 500 milhões – foi muito bem recebida pela comitiva brasiliense. Isso porque a instituição oferece as melhores condições de crédito do mercado. Inicialmente o banco não poderia fazer a transação, pois a cota de empréstimo para o Brasil já está estourada com recursos destinados a obras para a Copa de 2014.

O BID levantou a possibilidade de fazer uma intermediação do empréstimo com fundos diversos, como japoneses ou alemães. Quijano ressaltou que, apesar da sinalização positiva, o GDF continua a negociar outras alternativas com instituições nacionais e estrangeiras no caso de o BID não fechar o contrato. “Mantemos nosso interesse de contratar este empréstimos com o BID, que é quem oferece as melhores condições”, afirmou o subsecretário.

Recursos para o VLT


A comitiva brasiliense que está em Washington, nos Estados Unidos, com a missão de negociar empréstimos importantes para o GDF fez um balanço positivo dos compromissos desta quinta-feira (10). Durante um almoço com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luís Alberto Moreno, o governador José Roberto Arruda recebeu a notícia de que a instituição poderá financiar parte das obras do Veiculo Leve sobre Trilhos (VLT), cuja primeira etapa deve ser inaugurada em um ano.

À tarde, Arruda encontrou-se com a vice-presidente do Banco Mundial (Bird) para a América Latina, Pamela Cox, para a assinatura do contrato de empréstimo de US$ 130 milhões (aproximadamente R$ 260 milhões). Para receber os recursos, liberados por meio da linha de crédito Swap, o GDF cumpriu metas estabelecidas pelo banco nas áreas de Educação, Saúde e Transporte. A primeira parcela – US$ 26 milhões (R$ 52 milhões) – deve entrar na conta do DF em meados de outubro. Outras sete serão repassadas até 2012.

De acordo com o subsecretário de Captação de Recursos, João Carlos Quijano, a assinatura do contrato é um reconhecimento dos avanços do último ano, como o trabalho das equipes do Saúde na Família, reforçando o serviço básico de saúde, e à implantação do programa Educação Integral.

O empréstimo havia sido liberado em junho deste ano pelo Ministério da Fazenda, quando o limite de endividamento do GDF fora expandido de R$ 1,6 bilhão para R$ 2,5 bilhões.

Recursos para VLT

Segundo Quijano, a notícia de que o BID poderá financiar os outros 50% das obras do VLT – orçadas em R$ 500 milhões – foi muito bem recebida pela comitiva brasiliense. Isso porque a instituição oferece as melhores condições de crédito do mercado. Inicialmente o banco não poderia fazer a transação, pois a cota de empréstimo para o Brasil já está estourada com recursos destinados a obras para a Copa de 2014.

O BID levantou a possibilidade de fazer uma intermediação do empréstimo com fundos diversos, como japoneses ou alemães. Quijano ressaltou que, apesar da sinalização positiva, o GDF continua a negociar outras alternativas com instituições nacionais e estrangeiras no caso de o BID não fechar o contrato. “Mantemos nosso interesse de contratar este empréstimos com o BID, que é quem oferece as melhores condições”, afirmou o subsecretário.

Agência Brasília

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

VLT dará mais mobilidade para Brasília

Jornal de Brasília

O secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente (Seduma), Cassio Taniguchi, e técnicos da Seduma participaram do seminário “Transporte e Inovação – A experiência francesa”. O objetivo do evento foi apontar soluções sustentáveis para a área do transporte público.

Entre os temas apresentados, a troca de experiências e a análise da realidade francesa e brasileira na área de transporte. Outro ponto debatido foi a implementação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) como instrumento de reordenamento urbanístico da cidade. A forma de cooperação entre autoridades da França e do Brasil também foi tema de discussão.

Para Taniguchi, o maior desafio do transporte público, área de sua especialidade, é convencer o público a deixar o carro individual. “Seja no Brasil ou na Europa esse objetivo é sempre o alvo. Temos de oferecer um transporte de qualidade, ágil, moderno e modular, além de facilitar a mobilidade do pedestre com a integração entre os diversos tipos de transporte público. Este é o lema do GDF. Brasília será a primeira cidade em toda a América Latina que oferecerá um transporte metroviário de qualidade ligando o aeroporto ao centro da cidade”, disse.

O presidente do Metrô-DF, José Gaspar de Souza, apresentou o modelo do VLT que será implementado em Brasília. O trajeto terá 22,5 km e vai do aeroporto até o fim da Asa Norte, passando pela W3. A primeira etapa, 6,5 km, inicia na Estação Asa Sul e vai até a altura da 506 sul. Os trechos seguintes ligam a Asa Sul até o Setor Comercial Norte e o último até o fim da Asa Norte. As obras iniciam neste mês. A previsão de operação de parte do VLT está prevista para setembro de 2010. Cada veículo mede 44 metros e tem 2,65 metros de largura. A capacidade será de 12 mil passageiros/hora por sentido.

O evento foi realizado pela Embaixada da França e teve o apoio do GDF, Ministério Francês de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento, Câmara dos Deputados, Agência Francesa de Desenvolvimento, entre outros. O encontro foi realizado no Centro de Convenções Brasil 21, durante dois dias e terminou nesta quinta-feira (10).

Governador assina nesta quinta-feira, em Washington, acordo de US$ 130 milhões

JORNAL ALÔ BRASILIA

10/09/09

Distrito Federal é a terceira unidade da federação a ganhar investimento do Banco Mundial devido a ações de desenvolvimento nas áreas de educação, saúde e transporte. Valor será creditado em parcelas até agosto de 2012

Graças ao desempenho nas áreas de saúde, educação e transporte, o governador José Roberto Arruda inicia, nesta quinta-feira (10), uma série de negociações a fim de captar mais recursos para o Distrito Federal. Arruda e a comitiva do GDF estão em Washington. O principal objetivo da viagem é a assinatura do contrato de U$$ 130 milhões com o Banco Mundial (BIRD). O empréstimo que será depositado em seis parcelas, faz parte do DPL (Development Policy Loan), programa criado pela instituição financeira para premiar as administrações que alcançam objetivos em áreas importantes para o desenvolvimento de uma cidade.

Presente em Washington, o subsecretário de Captação de Recursos do GDF, João Carlos Quijano, explica que para oferecer a recompensa, o programa leva em consideração critérios de análise do desempenho, como a eleição de metas e a avaliação sobre o cumprimento dos objetivos propostos pelo governo. Até hoje, apenas Minas Gerais e Ceará haviam sido recompensados.

“Ao liberar a primeira parcela, de US$ 26 milhões, o Banco Mundial reconhece que uma parte dos objetivos propostos pelo GDF foi alcançada. Os números apresentados aos executivos do BIRD e o balanço de medidas de redução de despesas da máquina pública foram satisfatórios”, detalha Quijano. As outras parcelas cairão na conta do GDF até 2012, totalizando US$ 130 milhões. O financiamento também será usado para complementar os projetos do VLP (Veículo Leve sobre Pneus) e o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos).

Nesta quinta-feira (10), a equipe do GDF fará uma apresentação para executivos sobre os projetos de gestão pública que considera mais promissores para o desenvolvimento da capital. Além disso, pretendem demonstrar como funciona a gestão dos órgãos de regulação do serviço público. Serão citados os modelos da Agência Reguladora de Águas e Saneamento (Adasa), do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibram) e do DFTrans.

“O Banco Mundial reconheceu o esforço de legalização, regulamentação do estado e normatização do acompanhamento dos serviços públicos”, afirmou subsecretário de Captação de Recursos do GDF.

Outro assunto na agenda da comitiva, em Washington, é mais um programa financiado pelo BID em funcionamento no GDF – o Brasília Integrada, que prevê a recuperação do sistema de transporte na capital. “Vamos debater os resultados e comentar as melhorias”, revelou Quijano. “Os indicadores estão melhorando e nosso esforço será cada vez maior”, concluiu.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Citadis 402



Tramway CITADIS des Maréchaux Sud - Paris - Linha T3



Type

Tramway à plancher bas intégral, bi-directionnel

Nombre de rame construites

21

Date de livraison de la première rame

Septembre 2005

Date de livraison de la dernière rame

2006

Couplabilité en UM

Entre elles, en secours uniquement

Identification

Rame

301 à 321


Caractéristiques générales

Longueur hors tout

43.730 m

Largeur de caisse

2.650 m

Hauteur maximale au-dessus du rail

3.250 m

Hauteur du plancher au-dessus du rail

350 mm

Hauteur des accès au-dessus du rail

320 mm

Entre-axe des pivots de bogies

11.143 m

Masse à vide en ordre de marche

54 581 kg

Masse en charge normale

75 853 kg

Masse en charge exceptionnelle

91 664 kg

Nombre de bogies moteurs

3

Nombre de bogies porteurs

1

Mode de traction

Electrique

Alimentation électrique

750 V continu


Diagramme

Capacité

56 places assises (48 fixes et 8 à assise relevable)

Capacité maximale (assis+debout) :

* Charge normale (4 pass/m²) : 213 passagers

* Charge maximale (6 pass/m²) : 306 passagers

Poste de conduite

Central


Performances

Traction

Vitesse maximale

60 km/h

Puissance maximale à la jante en traction

692 kW

Accélération moyenne de 0 à 40 km/h en charge normale et en palier

1.00 m/s²

Accélération moyenne de 0 à 60 km/h en charge normale et en palier

0.90 m/s²

Accélération résiduelle à 60 km/h en charge normale et en palier

0.50 m/s²

Freinage

Décélération établie moyenne en freinage maximal de service en charge normale et en palier

1.50 m/s²

Décélération établie moyenne en freinage d'urgence en charge normale et en palier

3.00 m/s²

Décélération établie moyenne en freinage de sécurité en charge normale et en palier

1.50 m/s²

Performances générales

Kilométrage annuel moyen d'un véhicule

60 000 km

Chaudron

Matériau du châssis

Acier au-dessus des bogies

Aluminium dans les autres zones

Matériau de la caisse

Aluminium

Protection anti-crash

Par absorbeurs d'énergie

Bogies

Moteur
Porteur
Type

Arpège 350 M
Arpège 350 P
Châssis

Cadre articulé
Cadre articulé
Matériau du châssis

Acier
Acier
Construction

Mécano-soudé
Mécano-soudé
Ecartement de voie

1 435 mm
1 435 mm
Entraînement caisse-bogie

Par bielles et par les appuis de la suspension secondaire
Par bielles et par les appuis de la suspension secondaire
Empattement

1.600 m
1.600 m
Diamètre de roue neuve

590 mm
580 mm
Diamètre de roue usée

530 mm
530 mm
Transmission de l'effort de traction

Par engrenage et pont moteur formant un "essieu coudé"
Rapport global de transmission

6.86
Suspension primaire

Sans
Sans
Suspension secondaire

Ressorts hélicoïdaux
Ressorts hélicoïdaux
Amortissement

Amortisseur transversal caisse-bogie
Amortisseurs verticaux caisse-bogie
Barre anti-roulis
Amortisseur transversal caisse-bogie
Amortisseurs verticaux caisse-bogie
Barre anti-roulis

Equipements de traction

Captage

Type

Pantographe

Nombre

1 pantographe

Contrôle-commande

Mode de commande

Conduite manuelle par manipulateur traction / freinage

Consignes transmises par lignes de train basse tension

Equipements de puissance

Schéma de traction

1 onduleur de tension par bogie moteur

Indépendance de commande

Bogie par bogie

Type de commande

Electronique à micro-processeur

Tension d'alimentation des équipements de traction

750 V CC

Technologie des équipements de puissance

Onduleurs à IGBT

Semi-conducteurs refroidis par ventilation forcée

Moteur de traction

Type

Triphasé asynchrone, refroidi par eau

Masse

335 kg

Nombre

2 par bogie moteur

Installation

En porte-à-faux extérieur, en extrémité de bogie

Puissance unitaire maximale

175 kW

Vitesse maximale de rotation

4 130 tr/mn

Réducteur

Sans


Equipements de freinage

Contrôle-commande

Mode de commande

Electrique à trois voies : freinage de service par lignes de train basse tension communes avec la traction, freinage d'urgence par boucle d'urgence, freinage de sécurité par boucle de sécurité

Equipements de freinage

Bogie moteur
Bogie porteur
Frein électrodynamique

Electrodynamique de type à récupération et rhéostatique
Puissance en freinage électrodynamique

1 185 kW à la jante dans les deux modes
Effort maximal du frein électrodynamique

3 675 daN par bogie
Frein mécanique

1 disque en fonte ventilé Ø 400 mm épaisseur 60 mm par essieu
1 disque en fonte ventilé Ø 400 mm épaisseur 60 mm par roue
Matériau de friction

Composite
Composite
Effort maximal de freinage par bogie

3 410 daN
4 980 daN
Frein électromagnétique

2 patins par bogie
2 patins par bogie
Commande des freins

Freinage de service :
Conjugaison des freins électrodynamique et mécanique au niveau de chaque bogie / Réglage continu à la charge des efforts de freinage
Freinage d'urgence :
Conjugaison des freins électrodynamique et mécanique au niveau de chaque bogie moteur + Frein électromagnétique / Réglage continu à la charge des efforts de freinage
Freinage de sécurité :
Frein mécanique uniquement + Frein électromagnétique / Inhibition du réglage à la charge des efforts de freinage
Freinage de service :
Sollicitation indépendemment des bogies moteurs au-delà du freinage normal de service uniquement (électronique de pilotage indépendante pour le bogie porteur) / Réglage continu à la charge des efforts de freinage
Freinage d'urgence :
Sollicitation systématique du bogie porteur + Frein électroma-gnétique / Réglage continu à la charge des efforts de freinage
Freinage de sécurité :
Frein mécanique uniquement + Frein électromagnétique / Inhibition du réglage à la charge des efforts de freinage
Actuation des freins

Mécanique par ressorts, desserrage par pression hydraulique
Directe, par pression hydraulique
Frein de parking

Assuré par les freins à ressort des bogies moteurs
Nombre de freins de parking

4
Equipement d'antienrayage

Antienrayeur à régulation du glissement (actif en freinage de service et d'urgence uniquement)
Antienrayeur à régulation du glissement (actif en freinage de service et d'urgence uniquement)
Mode d'action de l'antienrayeur

Bogie par bogie
Bogie par bogie
Production d'énergie électrique auxiliaire

Alimentation haute tension

Non

Alimentation des auxiliaires

Convertisseur statique, à IGBT

Nombre de convertisseurs

1 convertisseur principal 750 V continu / 400 V 50 Hz triphasé

1 convertisseur auxiliaire 400 V 50 Hz triphasé / 24 V continu (charge batterie)

Puissance unitaire

Convertisseur principal : 15 kVA

Convertisseur auxiliaire : 13 kW

Tension d'alimentation des auxiliaires

400 V 50 Hz triphasé

Type de batterie

Cadmium-Nickel

Nombre de blocs batterie

1

Réseau basse tension

24 V continu


Confort thermique

Type

Chauffage-climatisation, à régulation

Nombre

2 unités pour les espaces voyageurs

1 unité par cabine de conduite

Chauffage

Par batterie de chauffe et soufflage d'air

Climatisation

Par soufflage d'air réfrigéré

Contrôle-commande

Par électronique à micro-processeur, dédiée à chaque unité

Alimentation

Groupes espaces voyageurs :

Par onduleur spécifique intégré 460 V 50 Hz connecté sur le réseau 400 v triphasé

Groupes cabines :

Sur le réseau 400 V triphasé


Portes

Porte d'accès voyageurs

Louvoyante-coulissante, à 1 ou 2 vantaux

Nombre de portes d'accès voyageurs

8 portes à 2 vantaux et 4 portes à 1 vantail

Largeur de passage des portes d'accès voyageurs

Porte simple : 800 mm

Porte double : 1 300 mm

Actuation des portes d'accès voyageurs

Electrique, avec module de commande dédié pour chaque porte


Système informatique embarqué

Type

FIP

Unité centrale

1 calculateur, en cabine 1

Fonctions assurées par l'unité centrale

Transmission de données pour le contrôle-commande

Sonorisation / interphonie de la rame

Signalisations au pupitre (défaillances majeures) par console informatique + voyants lumineux redondants pour les fonctions principales

Aide à la maintenance (vidage centralisé des défauts, tests en Entretien)

Equipements reliés au réseau

Electronique de commande traction/freinage des bogies moteurs

Electronique de commande frein du bogie porteur

Convertisseur d'alimentation des auxiliaires

Modules de commande des portes

Centrale tachymétrique

Electroniques de commande des unités de chauffage/climatisation


Equipements de sécurité

Types de signalisations compatibles

SAE


Informations complémentaires

Le véhicule Maréchaux Sud fait partie de la gamme CITADIS 300, et est du type 402.

La chaîne de traction est du type ONIX.




Montpellier

Montpellier partage son savoir faire en matière de tramway avec Brasilia

Date de publication : vendredi 26 juin 2009
Montpellier partage son savoir faire en matière de tramway avec Brasilia
L'agglomération de Montpellier et le District fédéral de Brasilia (Brésil) ont signé jeudi 25 juin à Montpellier une convention de partenariat dans le cadre de la réalisation de la première ligne de tramway dans la capitale brésilienne. Durant six ans, le réseau de transport de l'Agglomération de Montpellier (TAM), délégataire de service public, apportera son savoir-faire technique sur différents aspects.

La convention a été signée par le président de Montpellier Agglomération, Georges Frêche, et par le gouverneur du District de Brasilia, Jose Roberto Arruda.
Depuis 2007, le District Fédéral de Brasilia a engagé, avec l’appui de l’Agence Française de Développement (AFD), un programme de développement intégré des transports collectifs du District Fédéral. Ce programme prévoit de développer un réseau de transports collectifs « Brasilia Integrada », intégrant des lignes de métro régional, de métro léger, de bus rapides circulant sur des corridors réservés et de bus classiques.
Dans ce cadre, le District Fédéral de Brasilia a choisi de construire une 1ère ligne de tramway de 22 km financée par un prêt à hauteur de 134 M par l’Agence Française de Développement. Par ailleurs, l’AFD investit 350 000 pour un appui technique complémentaire permettant d’accroitre l’efficacité du système de transport au niveau fonctionnel, financier,
énergétique et climatique.
Montpellier Agglomération est une référence en matière de tramway, tant pour sa réussite commerciale que pour la qualité de son intégration urbaine. Ainsi, le District Fédéral de Brasilia a choisi Montpellier Agglomération pour une assistance technique de son délégataire TAM auprès de la Société Métro DF, en charge de la mise en service de la première ligne de tramway à Brasilia.
Cette société exploite déjà une ligne de métro et a besoin de conseils dans la mise au point de l’exploitation d’une ligne de tramway, 1ère ligne en Amérique du Sud, dont la mise en service est prévue pour 2014 avec un premier tronçon de 8,7 km inauguré dès 2010.
Invitée par le gouvernement du District Fédéral et l’Agence Française de Développement de Brasilia (Brésil), Montpellier Agglomération s’était rendue à Brasilia en décembre dernier. Aujourd’hui, Montpellier Agglomération, le District Fédéral de Brasilia et l’Agence Française de Développement signent une convention de coopération, d’une durée de 6 ans, à hauteur de 350 000 euros pour bénéficier d’un appui technique de TAM ainsi que des compétences de Montpellier Agglomération en matière de modes de déplacements performants respectueux de l’environnement.
Le savoir-faire technique de TAM mis à disposition du District Fédéral de Brasilia
Durant 6 ans, TAM apportera son savoir-faire technique pour la réalisation de la 1ère ligne de tramway à Brasilia sur différents aspects :
  • politique de stationnement, dans une logique de tarification sélective et progressive,
  • politique de régulation sélective ou de promotion de certains usages de la voiture en centre-ville, en fonction des zones et des périodes,
  • approche commerciale pour l’optimisation de la fréquentation des transports collectifs (campagne de promotion, tarifs incitatifs notamment en matière d’heures creuses),
  • gestion en temps réel des informations sur le système de transports urbains (application au téléphone mobile et à la billettique),
  • intégration physique des modes doux (transports collectifs, bicyclette, marche…),
  • systèmes de covoiturage, de vélos en libre-service et autres, pour les liaisons terminales entre les stations de transport collectif et les lieux de domicile et de travail,
  • requalification urbaine des quartiers desservis par la ligne de métro léger.
Le réseau de transports de Montpellier Agglomération, un modèle pour Brasilia
Une référence en matière de développement durable…
Montpellier Agglomération apportera également ses compétences au District Fédéral de Brasilia en matière de modes de déplacements performants respectueux de l’environnement.
En effet, le réseau de transports de Montpellier Agglomération est souvent pris pour référence, tant en France qu’à l’international, par des villes qui souhaitent se lancer dans un projet tramway. Montpellier Agglomération a ainsi accueilli des délégations d’Édimbourg, Melbourne, Madrid et Valence, Jérusalem, ainsi que des élus de nombreuses provinces néerlandaises venues dans l’Agglomération pour découvrir les réalisations en matière de transport.
Montpellier Agglomération propose des modes de déplacements performants, respectueux de l’environnement et accessibles à chacun. Ce pari sur l’environnement, elle le relève chaque jour avec des réalisations et des projets en matière de transports non polluants : remplacement progressif de la flotte de bus TAM par des bus au GNV, déploiement d’un véritable service public du vélo, réflexion sur la gestion des temps facilitant la vie quotidienne des habitants et réduisant les flux de circulation et l’émission de CO² aux heures de pointe...
…. Et de fréquentation
Dans l’Agglomération, la fréquentation des transports publics urbains a évolué de + 14% depuis la mise en service de la ligne 2. En 2008, 66,3 millions de voyageurs ont été transportés. Le réseau connaît un succès qui ne cesse de croître, notamment celui des deux lignes de tramway. Avec une fréquentation moyenne de 130 000 voyageurs/jour, la ligne 1 est la plus fréquentée de France. Montpellier Agglomération poursuit le déploiement du réseau au plus près des citoyens, notamment avec la construction de la ligne 3 de tramway dont la livraison est prévue en 2012. De nombreux autres projets sont à l’étude.
« Brasilia Inte grada», un programme de réseau de transports pour une ville durable
L’objectif principal du programme Brasília Integrada est de promouvoir les déplacements effectués en transport en commun grâce à l’amélioration des infrastructures de transport en commun existantes et à la construction de nouvelles voies de transport alternatives non-polluantes. Actuellement, la ville de Brasília compte 850 trajets d’autobus différents inter-Brasilia. Une fois le nouveau schéma de transports durables mis en place, ce nombre passera à 320.
L’Agence Française de Développement (AFD)
Institution financière, l’Agence Française de Développement (AFD) est au cœur du dispositif français de l’aide publique en faveur des pays en voie de développement. Sa mission : participer au financement du développement.
L’AFD soutient les pouvoirs publics, le secteur privé et les réseaux associatifs locaux pour la mise en œuvre de projets économiques et sociaux très divers. Elle intervient ainsi dans cinq continents et dans les collectivités d’Outre-mer.
Ses actions en faveur de la croissance économique et de la préservation de l’environnement s’inscrivent directement dans le cadre des Objectifs du Millénaire (OMD).

VLT desperta curiosidade

TRIBUNA DO BRASIL

09/09/09

Maquete do sistema fica em exposição até o fim deste mês no Setor Comercial Sul

O segundo dia de exposição do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) esteve bem movimentado. Os brasilienses que não puderam prestigiar a inauguração do evento ontem foram ao Setor Comercial Sul ontem conferir a exposição de um dos trens que circularão pela Avenida W3.

Teresinha Rodrigues é uma delas. A forte chuva que caiu em Planaltina ontem impediu a aposentada de conhecer o trem no primeiro dia de exposição. “Vi pela televisão mais queria mesmo era estar aqui e aproveitar para conhecer o presidente da França”, disse. “O que mais me chamou a atenção foi à capacidade de transportar vários passageiros e a ausência de degraus, o que é uma vantagem para idosos”, contou.

Marcos Antônio Ramos, 39 anos, também ficou surpreso com o novo transporte da capital. O auxiliar de serviços gerais trabalha perto da exposição, mas só hoje visitou o VLT. “Ontem estava muito cheio porque recebemos a visita de Nicolas Sarkozy”, disse. “O VLT é a grande novidade em transportes públicos e promete resolver os problemas de trânsito da capital”, completou.

O servidor Adalberto Lima esteve no Setor Comercial Sul para uma reunião de trabalho na manhã de hoje e aproveitou para conhecer o VLT. “É uma solução moderna que vai acabar com o congestionamento no Plano Piloto além de ser muito útil na copa de 2014”, acredita. “Agora a W3 terá fluidez no trânsito”, completou.

O VLT tem capacidade para transportar mais de 400 passageiros por trem a 70 km/h. Os veículos terão 42 metros de comprimento, 2,65 metros de largura e possuem janelas amplas, câmeras de circuito interno, ar condicionado, música ambiente, televisão de plasma e assentos confortáveis. O técnico em manutenção do veículo explica que a grande vantagem do transporte é o acesso fácil aos equipamentos e a praticidade na manutenção. “A troca e peças é feita pela parte superior o que facilita o trabalho dos técnicos“, explica Rene Maussalli. “É um veículo não poluente, tem 20% menos ruído em relação aos automóveis e consome pouca energia”, concluiu.

Com a chegada do VLT, a Secretaria de Transportes espera tirar 640 ônibus de circulação. Cerca de 495 árvores serão retiradas da W3 e replantadas em outros locais. O modelo vai ficar em exposição até o final do mês, no Setor Comercial Sul, sempre das 8h às 20h.

Fonte : Tribuna do Brasil

Liminar é cassada

CORREIO BRAZILIENSE

08/09/09

O presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF), Nívio Gonçalves, cassou a liminar que impedia o início das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) concedida a pedido do Ministério Público do Distrito Federal. O magistrado reconheceu argumentos do procurador-geral do DF, Marcelo Galvão, segundo o qual o empreendimento é viável do ponto de vista ambiental e, inclusive, levará a uma queda da poluição em decorrência da redução do número de ônibus e carros nas ruas.

Ao Correio, Nívio Gonçalves explicou que apenas enviou o processo à primeira instância para julgamento do mérito. O Ministério Público questiona o processo de licenciamento ambiental. A liminar foi suspensa na última sexta-feira. Na sua decisão, o presidente do TJDF considerou a importância do encontro de ontem entre o governador José Roberto Arruda e o presidente da França, Nicolas Sarkozy. Como é que iríamos recebê-lo (Sarkozy) com essa pendência? Se a liminar estivesse em vigor, essa solenidade nem poderia ocorrer, afirmou Nívio, que acompanhou o evento no palanque reservado às autoridades, junto da mulher, Maria Zélia Gonçalves.

Posse

Assim que o evento foi encerrado, Arruda embarcou para Washington e transmitiu o cargo para Nívio Gonçalves, já que o vice-governador, Paulo Octávio, também está nos Estados Unidos e o presidente da Câmara Legislativa, Leonardo Prudente, está em Portugal. Para qualquer brasileiro, é uma honra assumir o governo da capital do seu país, disse Gonçalves ao Correio. Hoje, ele deve cumprir uma agenda que inclui a sanção de projeto que altera o gabarito do prédio do fórum de Brazlândia.

Nívio Gonçalves deverá assistir a exposições preparadas pelos secretários de Transportes, Alberto Fraga, de Governo, José Humberto Pires, e de Desenvolvimento Social, Eliana Pedrosa, sobre ações do governo nessas áreas. O governador em exercício deve visitar à tarde o Centro Administrativo de Taguatinga, o Buritinga. Mas não pretende despachar na mesa de Arruda. Estou apenas cumprindo a nossa Constituição, afirmou. Paulo Octávio chega amanhã dos Estados Unidos e deve reassumir o governo. Ele tem compromissos em Brasília, entre os quais, uma reunião da executiva regional doDEM. (AMC)

Sede será no Lago Sul

CORREIO BRAZILIENSE

08/09/09

Uma das integrantes do consórcio responsável pela construção do VLT, a empresa Altran inaugurou ontem sua nova sede, no Lago Sul, inteiramente envolvida com a implantação deste que será o primeiro veículo leve sobre trilhos da América Latina. Representantes do GDF, como o secretário de Transportes, Alberto Fraga, e o ministro francês dos Transportes, Dominique Bussereau, prestigiaram a inauguração do prédio da empresa.

O diretor da Altran em Brasília, Ricardo Aires, destaca que o VLT tem um papel importante para a revitalização de áreas abandonadas e degradadas. Portanto, o novo meio de transporte será fundamental para a revitalização da W3. O VLT terá um impacto grande na valorização imobiliária e vai influenciar muito na vida das pessoas que vivem nas áreas próximas. Cerca de 90% de todo o fluxo de transportes do Distrito Federal passa pela W3, destacou.

A Altran é uma empresa francesa líder europeia no mercado de consultoria em tecnologia e inovação. Ricardo Aires contou que, para a implantação do VLT em Brasília, foi necessário buscar soluções que não ferissem o tombamento. Na maioria dos trechos, a alimentação do veículo será feita pelo solo, o que representa um ganho ambiental significativo, destacou Aires.

O ministro Dominique Bussereau elogiou o projeto do veículo leve sobre trilhos do Distrito Federal. Países como a China e o Japão também estão começando a se abrir para esse tipo de transporte. O projeto de Brasília é excelente. A parceria da França com o Brasil para a área de transporte é estratégica, afirmou o ministro francês, durante a inauguração da sede da Altran. (HM)